segunda-feira, 13 de outubro de 2008

UM LIVRO É UMA JANELA PELA QUAL NOS EVADIMOS, Julian Green (1900-1998)


Esta frase de Julien Green indica-me que um livro pode ser a passagem secreta pela qual nós fugimos furtivamente e onde podemos esquecer todas as nossas frustrações. Na afirmação está presente uma metáfora, pois pretende-se comparar um livro a uma janela que, neste contexto, significa a acção ou acto de escapar.
Filipe Margaço, 10ºB
-------------------------------------------------------------------------------------------------

Um livro? Uma janela? Sim! Um livro é uma janela em direcção à cultura e ao conhecimento. É uma forma de, por momentos, fugirmos da realidade e vivermos noutro mundo; sentirmos algo que nunca antes imagináramos ser possível e que podemos desfrutar com prazer.
Um livro não é um mero conjunto de palavras ao acaso, mas gestos, atitudes, pensamentos, amor, admiração, dedicação, tristeza, angústia, ódio… Tudo isso procura o autor transmitir a nós, leitores, de modo a deixarmo-nos embalar nesse seu mundo misterioso de palavras.
Julien Green define a sua ideia de livro e, tal como ele, também há quem tenha a opinião de que os livros são a melhor forma, quer de adquirir conhecimento, quer de desenvolver a nossa intelectualidade.
Em Portugal, é pena que não se leia mais!... Com um vasto leque de tão bons escritores, devia-se incentivar a leitura das crianças e dos jovens.
Alexandra Videira, 10ºB
-------------------------------------------------------------------------------------------------
Todos os géneros de livros são, cada um à sua maneira, janelas pelas quais nos evadimos para um mundo que não é o nosso. Um livro pode ser lido por muitas pessoas, mas nenhuma delas imagina a história e as personagens da mesma maneira. Cada um de nós pode viajar sem limites, sem precisar de sair do seu lugar, através apenas da imaginação, saltando por uma janela enorme a que chamamos LIVRO!
Marina Pereira, 10ºC

-------------------------------------------------------------------------------------------------
Quando lemos um livro, sentimo-nos como se estivéssemos a flutuar pelo mundo da fantasia. Parece que tudo à nossa volta desaparece, e os únicos a terem existência somos nós e o livro. Ler livros é uma actividade muito importante porque, para além de nos enriquecer, tanto em cultura como em imaginação (pois isso vai depender daquilo que lemos), a leitura proporciona-nos uma fuga à realidade do dia-a-dia.
Jorge José, 10º A
------------------------------------------------------------------------------------------------
Um livro sempre foi, é, e continuará a ser, um bom meio pelo qual as pessoas podem ir para além da realidade, e é por isso que os livros são tão importantes.
É através de um livro que o respectivo leitor pode dar asas à sua imaginação, sonhar e, até, embrenhar-se de tal forma na história que acaba por vivê-la com todas as emoções e, por vezes, esquece-se de que aquilo tudo não passa de uma fantasia. É através dos livros que fugimos dos problemas e, por vezes, os confrontamos; é neles que podemos sonhar, por exemplo, com um mundo melhor, que nunca teremos na realidade! É o livro que consegue fazer com que as pessoas, principalmente as crianças, sejam mais sonhadoras, contribuindo, também, para que vivam mais alegres e felizes!...
Luís Ferrolho, 10ºA
-------------------------------------------------------------------------------------------------
Quando estamos a ler um livro é como se entrássemos num mundo de fantasia. Podemos inventar o seu final, feliz ou triste; podemos fingir que somos as personagens desse mesmo livro; podemos ser o herói da história, ou o vilão, ou até mesmo sermos um dos elementos do par romântico da história…
Os trinta minutos consecutivos que, em média, um bom leitor passa a ler, de noite ou durante o dia, são trinta minutos mágicos, em que temos o poder de soltar toda a nossa imaginação e deixá-la voar livremente por aquelas páginas cheias de emoções.
Diogo Teixeira, 10ºA
-------------------------------------------------------------------------------------------------
Quem não lê é como se ficasse sempre em casa, distante da janela, em que só pode ver uma pequena parte da paisagem e, por isso, limitar-se a uma vida sem grandes objectivos nem sonhos!..
Os livros são, sem dúvida, a janela que nos permite evadir-nos, já que se abrem para nós, de par em par, trazendo-nos o conhecimento, ao mesmo tempo que nos divertem, inquietam, transportam para longe, e fazem sonhar de olhos abertos!

Ana Margarida, 10ºA






1 comentário:

Carla Maria disse...

Revejo-me completamente nas vossas reflexões. Também para mim leitura é magia, sonho, emoção, evasão... Ana Margarida, concordo contigo quando dizes que "quem não lê só pode ver uma parte da paisagem". Acredito que uma vida sem livros é uma vida limitada e vazia.